O 2º julgamento de Berta Cáceres pronto para sentença

(CASTELLANO) (ENGLISH) (EUSKARA) (REBELIÓN)


Martintxo Mantxo ( aplaneta.org )
Ilustração: Brenda Miranda / COPINH


Após 44 dias de julgamento contra um dos coautores do assassinato da ativista hondurenha Berta Cáceres, hoje, seus familiares, advogados e colegas do COPINH (Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras) organizaram uma entrevista coletiva para comunicar seus sentimentos e primeiras conclusões na ausência de uma sentença. O café informativo da manhã, com a presença de vários representantes estrangeiros, foi realizado às 8h00, 16h00, hora europeia. Foi moderado pelo filho de Berta Cáceres, Salvador Zúñiga, tendo também participado as filhas e a mãe dela. No final do evento, a delegação zapatista à Europa pisou em terra, após uma viagem de 47 dias por via marítima, após 2 dias de espera no porto de Vigo, para ser recebida por centenas de apoiantes deste continente. Até onde sabemos, a coincidência não foi premeditada (1). E não sabemos se esse momento está incluído no calendário maia, nem a que b’aak’tuune corresponde. Neste solstício de verão, Sack Q’ij, Udaburua – aqui e ali. Mas, sem dúvida, eles são marcos da resistência milenar de Abya Yala que convergiu na história, e con nos; e ele mostrará o caminho.

Após o julgamento de 2018 que considerou sete culpados pelo assassinato de Berta Cáceres2, o julgamento de um dos co-autores do crime, David Castillo, teve início em 6 de abril. O réu no assassinato de Berta Cáceres é David Castillo, ex-diretor da empresa DESA (Desarrollos Energéticos S. A.), responsável pelo projeto hidrelétrico Aguas Zarca que Berta Cáceres, COPINH e a comunidade Lenca se opuseram. Mas David Castillo também é oficial de inteligência militar treinado pelos EUA em West Point. Ele é acusado de planejar o assassinato de Berta Cáceres. Como Bertha Zúñiga, filha de Berta, explicou ontem, e como ela também fez no julgamento, sua mãe já havia contado a ela sobre a responsabilidade de Castillo na repressão que sofreu antes de sua morte e em outros ataques.

O advogado da família, por outro lado, explicou que agora lhes resta pronunciar a sentença, mas que as provas apresentadas são retumbantes e as confirmam. No julgamento, foram apresentadas 62 evidências do envolvimento de David Castillo no crime. Muitos deles eram ligações telefônicas a que se tinha acesso, desde Castillo até o organizador dos assassinos, Douglas Bustillo.(3) Porque este fazia o monitoramento e a vigilância de Berta, que mais tarde notificou Castillo.

Segundo o advogado da família, as provas contra Castillo são suas próprias comunicações e o contexto proporcionado pela denúncia, como a de que Castillo era culpado de “atos criminosos por ser membro do conselho fiscal da ENE quando o projeto Agua Zarca foi aprovado. ” O advogado da família Víctor Fernández explicou também que no julgamento foi provado que no dia 5 de fevereiro seria cometido um atentado contra Berta no qual participariam 4 soldados e David Castillo, que também é militar. “Castillo foi informado de que o crime não seria realizado devido a dificuldades logísticas.”

Nesse sentido, o advogado Víctor Fernández foi enfático ao afirmar que os proprietários da empresa DESA, a família Atala, são os próximos responsáveis. Os Atalas são proprietários da DESA. José Eduardo Atala também foi diretor do CABEI (Banco Centro-Americano de Integração Econômica) em Honuras. O CABEI centralizou o investimento no projeto hidrelétrico Agua Zarca de outros financiadores. Como explicou Fernández, a razão do crime foi que Berta, junto com o povo Lenca, organizado na COPINH, havia colocado em risco aquele investimento milionário que traria grandes benefícios aos Atalas. O projeto hidrelétrico Agua Zarca foi avaliado em 44 milhões de dólares. Em 2013, seu local teve que ser alterado devido às mobilizações. As mobilizações continuaram em 2015. Eliminar Berta foi a forma como entenderam para travar este movimento e garantir esse investimento por parte do banco unilateral. Finalmente, os bancos FMO (Holanda), FinnFund (finlandês) e o Banco Mundial abandonaram o projeto.

Feminista Camp Viva Berta!

Este tem sido um longo processo para a família de Berta Cáceres que mais uma vez tem que enfrentar estas trágicas memórias, mas sobretudo, as pessoas e a estrutura que os protege e que lhes causou danos irreparáveis. Mas também um longo período de enfrentamento a um aparelho que não hesitou em usar as fórmulas mais violentas contra a oposição organizada, e cujo poder e força ainda estão presentes na região. Não em vão, Laura Zúñiga, outra das filhas, denunciou que durante estes dias em que se realizou a audiência continuaram a ser criminalizadas e “sofrem processos de estigmatização, culpando-nos quando os criminosos são outros”.

A Diretora para as Américas da Anistia Internacional, Erika Guevara, também se posicionou a respeito, lembrando que, desde o assassinato de Berta, outros 40 ativistas foram assassinados em Honduras (4). Nos 5 anos de mobilização desde o assassinato de Berta, ocorreram ameaças e criminalização. Guevara denunciou também a “falta de vontade política” para esclarecer os fatos, que se evidenciaram na demora e obstrução dos advogados do réu, e a falta de transparência dessa audiência. Da mesma forma, ressaltou que, apesar desse ambiente hostil e da impunidade, COPINH e sua família continuam se mobilizando.

Devemos lembrar que este crime ocorreu em 2016, mas que em 2009 houve um golpe em Honduras contra o governo democraticamente eleito de Mel Zelaya. Embora as eleições tenham sido organizadas desde então, cada um deles foi denunciado por fraude, provocando reação popular e fortes distúrbios. Desde o golpe, o governo está nas mãos do Partido Nacional, que claramente favorece uma minoria, uma elite que inclui a família Atala. Assim afirmou o jornalista Christian Duarte (5) no aniversário do assassinato de Berta, o 5 de março: “Depois do golpe de 2009, o evento Honduras Is Open for Business [Honduras está aberto aos negócios], promovido pelas famílias mencionadas (incluindo la Atala), permitido a distribuição dos recursos naturais do país como butim de guerra, incluindo o Río Blanco. Outra expressão desses recursos é a troca de favores entre a elite e os políticos em escala local ”e nacional, e à qual se deve somar a contribuição militar, se for o caso, ou internacional.

Feminist Camp Viva Berta!

A situação de pilhagem continua em Honduras. Atualmente existe uma forte oposição do povo Garífuna (afrodescendente) contra as ZEDES ou Zonas de Emprego e Desenvolvimento Econômico, que são esquemas neoliberais propostos após o golpe para tomar ainda mais território e recursos.(6) Um bom exemplo dessa mobilização incessante pelos direitos básicos e pelo que Berta representa é o Campo Feminista Viva Berta (7), que foi instalado fora do Supremo Tribunal de Justiça. Uma representante desse acampamento, Yessica Trinidad, também participou do café da manhã informativo. O acampamento está instalado há dois meses, até agora, e será fechado quando o veredicto for lido. Muitas mulheres já passaram por lá, atualmente restam cerca de 150. Segundo Trinidad, as mulheres continuam a subir, incentivadas pelo exemplo de Berta Cáceres. Este é mais um exemplo de que, apesar das dificuldades e intimidações (8), a única forma de conseguir a verdadeira justiça é lembrando-lhes a cada minuto que estamos cientes dos seus truques e que o povo não se deixará enganar.

A apresentação terminou com a participação da mãe de Berta Cáceres, Austra Bertha Flores, via vídeo, desejando não morrer “sem primeiro ver castigados todos os vil que assassinaram Berta Isabel que era defensora dos direitos dos povos indígenas , a Mãe Terra e os rios”. Como também pediu: “Espero que continuem acompanhando essa luta para servir de exemplo, para que não continuem esses assassinatos cruéis contra os defensores da Vida e dos direitos humanos”. Lá vamos continuar.

Mais informações em: copinh.org e www.aquiabajo.com/blog

============================

1Hoje é também um dia sentido pessoal e familiar ao celebrarmos o 1º aniversário da partida do nosso querido Juani Roncal, feminista, curandeiro, sindicalista e adepto desta luta. Beti gurekin, Juani !!

2 Entre eles Sergio Rodríguez Orellana, gerente de assuntos comunitários e ambientais da DESA, e Douglas Bustillo, tenente aposentado que trabalhava como diretor de segurança da mesma empresa até então.

3O laudo pericial possui 86 páginas nas quais foram coletadas todas as ligações relevantes e o conteúdo de 17 números. Também conversas de WhatsApp.

429 apenas em 2019! www.lavanguardia.com/politica/20191217/472307273432/activistas-denuncian-asesinato-de-29-defensores-de-ddhh-en-honduras-este-ano.html

5 “As elites também mataram Berta Cáceres” (Nueva Sociedad, março de 2021) https://nuso.org/articulo/las-elites-hondurenas-tambien-matados-berta-caceres

6 ZEDEs y enfoque “residuo” www.alainet.org/es/articulo/212310?language=es

7 Também convocado pela Rede Nacional de Mulheres Defensoras dos Direitos Humanos em Honduras, COPINH e OFRANEH

8 Além do efeito óbvio que o assassinato de uma companheira e tantos outros ataques podem ter, apesar de permitidos, o Campo Feminista de Viva Berta sofreu pressões desde o seu início, com policiais tirando fotos e vídeos das participantes. Isso se intensificou desde 11 de maio, dia em que foi decidido continuar permanentemente. (Honduras: Polícia Nacional faz vídeos e fotografa e levanta perfis de defensoras do Campo Feminista de Viva Berta www.business-humanrights.org/fr/dernières -actualités / honduras-national-police-take-v

Blog de WordPress.com.

Subir ↑

A %d blogueros les gusta esto: