Um ano do crime de Zaldibar:

sabemos muito, mas os responsáveis ​​contam pouco

Já se passou um ano desde o desastre de Zaldibar. Embora tomando a proposta do MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens)1 do Brasil ao se referir a Brumadinho2 e Mariana, seria melhor chamá-lo o”crime de Zaldibar” – Porque algo que tem sua origem na negligência, que em vez de investir acumula nos lucros, no desprezo pela população, pelos trabalhadores e pelo meio ambiente, que apesar de prevenido ignora, que não obedece a fiscalizações ou alertas, o que é permitido pela administração (até que aconteça) só pode ser qualificado asim . Um “desastre” denota algo que aconteceu sem ação humana, devido a causas naturais, ou assim se entende. Mas as causas foram, como dizemos, humanas, de exceder a capacidade daquele aterro com condições geológicas muito específicas. Porque não só nos enganaram com o suposto tratamento de resíduos (desta e de outras formas) enquanto recebiam o nosso dinheiro, mas também agora tivemos de investir grandes somas na tentativa de reparar parte dos danos: cerca de 27 milhões de euros.

Vamos retroceder. O crime de Zaldibar ocorreu em 6 de fevereiro de 2020, quando o depósito de lixo entupido daquele local desabou na rodovia A8. A avalanche não coincidiu com a passagem de carros por isso não supôs nenhuma vítima fatal. Mas sim lá em cima na parte superior do aterro, pois pegou os trabalhadores do mesmo. Apesar de saberem do seu desaparecimento, os seus corpos não foram encontrados, no caso do primeiro até agosto de 2020, a uma profundidade de 23 metros. No caso do segundo, um ano depois, permanece sem ser encontrado. Isso significava que nos primeiros dias tiveram esperanças de encontrá-los, que se dissipou com o passar dos dias. Para as famílias tem sido/é muito difícil imaginar seus entes queridos naquela confusão de lixo, sujeira e escombros.

Algo a ter em mente é que este aterro está localizado nos termos de Zaldibar, mas é um bairro deste, Eitzaga, que na verdade está localizado a cerca de 5 km do núcleo. Enquanto isso, Eitzaga fica mais perto da cidade de Ermua (pouco mais de um km) e de Eibar (2,5 km). Por sua vez, esta área é uma área de alta densidade populacional, com 50.000 habitantes naquele perímetro.

E a própria Eitzaga é um núcleo rural de poucas casas, que durante a atividade do lixão era atravessado por 200 caminhões por dia carregando todo aquele lixo: 500 mil toneladas por ano.

Uma vez ocorrido o colapso, o trânsito de caminhões basculantes se repetiu pelo bairro, agravando a situação, continuando o trânsito pesado, derramando lama, resíduos e chorume, além de poluir com seus gases. O governo basco calculou 23.000 caminhões necessários para remover os resíduos de Zaldibar. Desconhece-se o seu destino, embora tenha vazado que poderia ser Huelva3, o que dentro de todo este absurdo acrescenta ainda mais, uma vez que não poderia ter sido procurado outro local (954 kms). Sabemos apenas que os restantes municípios bascos recusaram-se a aceitar os resíduos de Zaldibar, o que também diz muito sobre o grau de toxicidade e também como queremos lidar com os nossos próprios problemas. Em 6 de maio, 7.000 caminhões foram revisados.

O aterro foi imposto à Câmara Municipal de Zaldibar. A primeira vez que foi levantado em 1993, foi rejeitado devido a protestos e rejeição local, a ser revogado em 1997 pelo voto mínimo4. O PNV sempre foi a maior força do consistório e o principal promotor, até 2011 quando vence o EH Bildu. Em 1998, o conselho municipal de Zaldibar aprovou consultas nos bairros que seriam afetados por projetos de aterro, mas nunca foram realizadas. A mudança regulatória de 2002 facilitou sua licença em 2003. Mas a autorização ambiental integrada só foi concedida em 2007. Naquela época, já havia ilegalidades em outro aterro da cidade. Portanto, a Verter Recycling, sua gestora, abasteceu e ultrapassou o aterro sanitário em 13 anos.

Um depósito de lixo industrial sem medidas para isso

Pois uma vez ocorrido o acidente, ficou claro que se escondia aquele imenso lixão, coisa que os vizinhos, devido ao transporte assíduo de resíduos e odores, imaginavam, mas que o resto da população, atolava-se nas supostas soluções do incineração (Zabalgarbi em Bizkaia e agora Zubieta em Gipuzkoa) e redução da gestão de resíduos, ignoramos a sua existência. Depois soube-se que neste aterro era transportado grande parte dos resíduos da indústria e da construção, maiores produtores de resíduos, acima das residências e outros: 60% do que recebia era da indústria e 20% da construção.

Assim, Zaldibar aceitou tudo o que fosse rejeitado em outros aterros, todos os tipos de resíduos industriais5, desde lodo da fábrica de papel da Papresa de Errenteria, da indústria siderúrgica, tintas e produtos químicos e até amianto, todos eles sem considerar nenhuma das medidas exigidas pelos regulamentos, qualquer tipo de tratamento, ou armazenamento especial em depósitos estanques.6 No entanto, a Verter Recycling teve uma licença para receber amianto concedida pelo Governo Basco em 2016, embora não tenha sido aprovado para receber resíduos tóxicos. Assim, ali foram descartadas 16.148 toneladas de amianto7, parte dela sem licença, mas de qualquer forma, sem qualquer forma de gerenciamento e armazenamento que garantisse sua segurança e evitasse sua disseminação e contaminação.

Em 2011, por exemplo, foi multada em 33.000 euros por ter armazenado 175 toneladas, sem autorização e sem medidas, resíduos contendo PCB (bifenilos policlorados)8. PCBs são compostos químicos que foram usados ​​para uma infinidade de finalidades (óleos lubrificantes, resinas isolantes, tintas, ceras, selantes, refrigerantes em equipamentos elétricos, etc.), mas que quando seus riscos à saúde e ao meio ambiente foram descobertos foram retirados do mercado, com até 2010. Pelo que se sabe, apesar de se ter conhecimento, não foram realizadas outras fiscalizações ou medidas para eliminar ou armazenar de forma adequada os resíduos desta toxidade.

Conferência de imprensa de representantes institucionais

Mas também ficou sabendo da opinião pública que o aterro e seu gestor, a Verter Recycling, embora recebessem grandes pagamentos da administração pelo cuidado com esses resíduos, não realizavam fiscalizações suficientes, e as que eram realizadas não tinham maiores consequência ou foram objeto de acompanhamento.

Pouco antes da ocorrência do crime, em novembro de 2019, o Departamento de Meio Ambiente do Governo Basco, então chefiado por Iñaki Arriola, concedeu ao aterro de Zaldibar a classificação mais baixa em conformidade com as regulamentações ambientais9. A razão foi porque houve “qualquer violação classificada como significativa ou grave ou uma série de violações”, mas sem estabelecer o que eram e sem proceder à punição. Foi somente no momento do acidente que aquele departamento informou que procedeu à “abertura de processo na empresa”.

Também transpareceu que, como já estava claro com o negócio de incineradores, e outros, que apesar de ser “lixo”, ele movimenta muitos milhões, e a Verter Recycling priorizou milhões sobre todo o resto. Os aterros do País Basco recebem 47 milhões de euros por ano pelos resíduos recebidos. No caso da Verter Recycling, outra das irregularidades é que faltam as contas dos últimos anos, sendo a última registada em 2017. Por ser uma empresa com dois accionistas e apenas seis trabalhadores, nesse ano registou lucro líquido de 1.744.876 euros10.

Devido à alta industrialização da Comunidade Autônoma Basca (CAPV), os resíduos correspondentes a ela são muito elevados: 3,78 milhões de toneladas são de origem industrial (60% de todos os resíduos), dos quais 5% são perigosos e 1,32 milhões de toneladas de construção (21%) que contrastam com o lixo urbano, que apesar de focar o debate no conflito de resíduos, representou apenas 19% (1,2 milhão de toneladas). Gorka Egia, no seu livro “Ekologista naiz baina…”11 também fala desta parte da equação que muitas vezes ignoramos: uma pessoa basca produz 390 quilos de resíduos por ano, mas se somarmos o montante correspondente ao comércio, são 500 Kg12, e se somarmos o da indústria, a 1000 kg. Porque esses resíduos, correspondentes à nossa economia, da qual dependemos, também correspondem a nós. Portanto, o debate social deve incluir mais níveis e aspectos.

Sociedade fica farta

Dois dias após o desastre ocorrido, em 8 de fevereiro de 2020, outro novo ocorreu: devido ao movimento de resíduos, e obviamente, muitos deles sendo inflamáveis, e outros fatores desencadearam incêndios que foram apagados em momentos diferentes, mas que continuaram até 21 fevereiro13. Em todos esses dias, o possível risco de fumaça também foi minimizado.

Foi no dia 15 de fevereiro, altura em que se ia disputar o jogo correspondente ao dia da Liga Espanhola entre o Eibar e a Real Sociedad, quando foi suspenso por condições prévias, e quando os habitantes daquela zona confirmaram os seus receios da elevada toxicidade do esses vapores. Devido aos resíduos altamente tóxicos mencionados acima e que não eram confinados, os fumos apresentavam altos níveis de dioxinas e furanos. São poluentes ambientais persistentes (POPs) cumulativos, considerados pela OMS como altamente tóxicos e cancerígenos.

Além disso, a fumaça continha flúor, cloro, bromo, nitrogênio e enxofre. Conhecida a alta toxicidade, desencadeou-se o descontentamento social, pois todas as demais irregularidades se somam à falta de ação institucional, pois só em 14 de fevereiro, cinco dias depois, não se aconselharam a população a não abrir as janelas e limite estar fora.

Outro problema com a gestão deste desastre foi a informação. Segundo Ahoztar Zelaieta, autor do livro “Zaldibar. Zona cero ”(Txalaparta, 2020) “o governo basco não forneceu as informações solicitadas pela oposição e pela sociedade, em muitos casos só as divulgou na mídia. Na verdade, tem dificultado o processo de informação”. Zelaieta alude a outro caso de corrupção em que o PNV estava implicado, o caso De Miguel14, para explicar que, nesse caso, “o PNV e o PSE até impediram que fosse tratado no parlamento”.

À má gestão e pouca vontade, soma-se a falta de pessoal para controlar todas as instalações, já que há apenas 8 fiscais para fiscalizar os 13 aterros sanitários do CAPV, revisão que é realizada a cada um e três anos, que é insuficiente. Esses 13 aterros estão localizados 1 em Araba, 2 em Gipuzkoa e 10 em Bizkaia, e recolhem 36% dos 6,3 milhões de toneladas de resíduos gerados a cada ano. Destes, 9 são privados e 4 públicos. Em Bizkaia existem 3 outros, como o Zaldibar, para resíduos industriais não perigosos, os 3 privados.

A sociedade, especialmente a comunidade afetada localizada nas proximidades do aterro, exige justiça, o que é um processo lento. O processo de investigação foi iniciado e levará mais um ano, enquanto o julgamento levará mais 5 anos. Em outubro de 2020, foi anunciada a configuração de uma denúncia popular na qual aparecem Zaldibar Argitu e a Carta dos Direitos Sociais de Euskal Herria (País Basco).

A denúncia popular.

Zaldibar Argitu é a plataforma local criada a partir do crime e que, como indica o seu nome em basco, pretende luz a ele. Zaldibar Argitu organizou numerosos atos de protesto assim que ocorreu o acidente e posteriormente, com pelo menos uma manifestação por mês (deve-se ter em mente que medidas restritivas foram introduzidas em março para aliviar a pandemia, e que também a nível informativo, isso subtraiu espaço para outras informações).

Também na UE, o caso está sendo acompanhado por meio do comissário para o Meio Ambiente, Virginijus Sinkevicius, que levantou a necessidade de estabelecer se as autoridades bascas cumpriram sua obrigação de “monitorar, detectar e, em última instância, sancionar” possíveis violações ocorridas no aterro.15

A responsabilidade da administração tem sido pouco assumida, enquanto a administração tem focado a responsabilidade na empresa Verter Reciclagem, o que também tem causado grande desconforto na sociedade e principalmente na área afetada. Além disso, os atuais membros das instituições parecem estar bastante envolvidos.

Um dos focos concentra-se em Iñaki Arriola do PSOE, ex-prefeito de Eibar entre 1993 e 2008, e depois de 2009 a 2012, conselheiro do governo basco na coalizão com o PNV, encarregado de Habitação, Obras Públicas e Transporte e o Ambiente Ambiente, Ordenamento do Território e Habitação de 2016 a 2020. Após as eleições de julho de 2020, ambos os partidos repetiram a coligação, com Arriola nomeado Ministro do Ordenamento do Território, Habitação e Transportes. Com isso, Meio Ambiente foi eliminado de seu portfólio, mas ele permaneceu no cargo.

Como aponta o pesquisador Ahoztar Zelaieta, é surpreendente que não tenha havido purificação, mas também não tenha havido autocrítica. Zelaieta, que investigou a trama, aponta a responsabilidade direta de Arriola como ministro do Meio Ambiente no momento do acidente, mas também por causa de sua estreita relação com José Ignacio Barinaga. O secretário de Arriola quando foi prefeito de Eibar, Javier Sánchez, atuou como representante da Verter Recycling e era acionista da mesma, juntamente com Barinaga. Chama a atenção também “a relação societária da Diretora Geral de Meio Ambiente da Diputación de Gipuzkoa, Mónica Pedreira Lanchas, era diretora de uma empresa criada por um acionista da Verter Recycling, e seu irmão, Iván Pedreira, foi promovido a diretor da Administração Ambiental16 do Governo Basco por Iñaki Arriola. E não deram nenhuma entrevista!”.17 Arriola é também presidente do PSE (braço do PSOE na CAPV) e o filho de Barinaga, Iñaki Barinaga, foi candidato a prefeito de Zizurkil pelo PSE.

Mas além disso, como prossegue Zelaieta, o PNV, durante todos estes anos de Governo basco18, livrou-se de responsabilidades administrativas que correspondiam à gestão de resíduos perigosos: “Quando Josu Jon Imaz (atual CEO da petroleira Repsol) era ministro da Indústria, ele reduziu as responsabilidades institucionais ao mínimo de intervenção”, completa Zelaieta. Dessa forma, o PNV relegou o controle dos aterros para seus próprios gestores, justificando a mudança regulatória de forma a facilitar o desenvolvimento industrial. Em breve, o Imaz passaria do governo regional para a empresa privada, para a subsidiária da Repsol, a Petronor. Da mesma forma, seu antecessor no cargo, José Antonio Maturana, chegou a um acordo com os fabricantes de lindano19 para isentá-los de culpa por suas dispensas em troca de um pagamento ridículo (4 milhões de pesetas), “não a favor do público ou do meio ambiente, mas a favor da indústria perigosa ”, acrescenta Zelaieta.

71 / 5000 Itzulpenaren emaitzak Demonstração exigindo esclarecimento do ocorrido

Após um ano e o que tiveram que suportar, além da indiferença e da falta de informação oferecida pelas instituições, Leire Alberdi de Zaldibar Argitu, expressa que “as cidadãas/os estão preocupadas e indignadas com a gravidade das irregularidades que o evento visualizou. As instituições voltam a culpar as empresas privadas, mas a falta de controlo da actividade torna culpado o departamento do ambiente do Governo basco, mas ninguém se demitiu ”. Segundo Alberdi, como consequência, Zaldibar Argitu “se opõe categoricamente a esse modelo de gestão: a gestão de resíduos deve ser pública e transparente, pois é inaceitável continuar alimentando a rede clientelista que existe entre tantos (aterros, incinerador de Zubieta, Agência de a Água, os políticos, o imobiliário, etc) ”. Alberdi criticou que “eles são uma máfia terrível”.

Apesar das responsabilidades claras da empresa e da administração, este caso também evidencia uma realidade atual: o nosso consumo gera toneladas de resíduos e também mostra que não sabemos bem o que fazer e que se acumula, excedendo a capacidade com consequências terríveis. Como indivíduos, temos que levar isso em conta e mudar hábitos, propor outro modelo, contribuir para isso desde o nosso consumo até uma posição política.

U30 Aldaketaldia, um ano de Zaldibar

Larreko Mahia é a plataforma contra a emergência climática criada em Gipuzkoa por diferentes organizações e sindicatos locais em outubro de 2019. Obviamente, a pandemia afetou a capacidade de realização de atividades. Para este 2021 a Larreko Mahia propôs uma mobilização massiva em todas as cidades e vilas da província e relembrando o ano do crime de Zaldibar, com o nome de U30 Aldaketaldia (30J – Hora da Mudança)20, desde manifestações a marchas de bicicleta, palestras ou plantações de árvores.

1º aniversário do crime

Para Juanmi Galatas, um de seus organizadores, a emergência climática e nosso compromisso de revertê-la tem muito a ver com resíduos, especialmente na capital San Sebestián (Donostia) onde, em um de seus bairros rurais, Zubieta, construíram o incinerador. Para Galatas é claro que uma vez construído, deve ser alimentado, o que significa abandonar qualquer plano de gestão de resíduos ecológicos (reaproveitamento, reciclagem). Galatas chama a atenção para o facto de que se no resto da província “a rejeição foi reduzida em 14%, a de Donostia aumentou 6%”. Em 2019, Donostia recolheu 53.000 toneladas de resíduos, que, segundo afirma, “são um combustível perfeito para o incinerador”.21 Porque por pessoa, em Donostia se produzem 288 kg, enquanto no resto da província, com os sistemas introduzidos, são apenas 100 kg, com os quais “o incinerador não se alimenta”.

Kepa Olaiz, ativista do Erraustegiaren Aurkako Mugimendua22 (Movimento Contra a Incineração) também participou do U30 Aldaketaldia. O Movimento Contra a Incineração em Gipuzkoa remonta a 2002, quando os planos para dois incineradores na província foram aprovados. Um deles foi rejeitado, e o outro mudou de local, sempre sendo altamente rejeitado. Para Olaiz, o desastre de Zaldibar revelou a falta de controlo existente na gestão dos resíduos, pelo que rejeitam o facto de esta gestão estar em mãos privadas “porque não oferece garantias”. Lembre-se que sem entrar oficialmente em funcionamento “o incinerador já sofreu 3 acidentes, com um incêndio em seus transformadores e um derramamento que contaminou um córrego, Arkaitzerreka, destruindo todo o seu ecossistema, por isso não é um bom presságio”23.

U30 Aldaketaldia a Tolosa

Por sua vez, um dos organizadores da atividade na cidade de Tolosa, Jon Irastorza, comentou que “nisso estamos todos juntos, é tudo parte do mesmo modelo, do mesmo plano, então temos que ser claros que o que não queremos para nós nem podemos desejar para os outros. E a natureza e o Planeta sofrem em geral quando algo como Zaldibar acontece, por isso devemos ter isso em mente e agir de acordo ”24.

Leire Alberdi, do Zaldibar Argitu, conclui que “que as instituições públicas assumam um roteiro claro para a necessária transição energética, ecológica e social e se comprometam com um conteúdo claro é essencial para evitar a repetição de formas como a de Zaldibar”.

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) do Brasil também se solidarizou com os demais, liderados por um de seus coordenadores, Moisés Borges. O MAB atuou e atua tanto em Brumadinho (2019) quanto em Mariana (2015) em ambos os casos, auxiliando as pessoas atingidas e posteriormente auxiliando-as legalmente no processo de reparação e justiça. Borges traçou um paralelo entre esses casos e o de Zaldibar, uma vez que todos os 3 eram depósitos de resíduos industriais. Porém, para Borges isso “não é coincidência” porque em ambos “por negligência e por interesse do capital pra que faza que o lixo sea a parte do lucro acima da vida, coloque em risco as vida das pessoas, as vidas dos trabalhadores , do bacia hidrografica, o meio ambiente e permise que o seu rompa”25.

 

Referências:

5“Transportistas aseguran que en Zaldibar los residuos tóxicos se ocultaban bajo la tierra mezclados” www.naiz.eus/eu/info/noticia/20200216/transportistas-aseguran-en-zaldibar-hay-toneladas-de-toxicos-mezclados-no-separados

6

9Arriola no sancionó al vertedero pese a conocer las deficiencias www.elmundo.es/pais-vasco/2020/02/08/5e3ea97221efa033088b45dd.html

11“Eu seu ecologista, mas…” www.egia.eus

12Pertsonako 520 kilo inguru hondakin sortzen dira urtean, gero eta gehiago www.berria.eus/albisteak/24187/pertsonako-520-kilo-inguru-hondakin-sortzen-dira-urtean-gero-eta-gehiago.htm

16 Uma de suas funções é supervisionar os controles e inspeções dos aterros. A Pedreira tem um vencimento de 71.375 euros, 5.098 euros por mês para 14 prestações, enquanto a Arriola recebe 92.485 euros, 6.606 euros por mês para 14 prestações.

17Entrevista por telefone com Ahoztar Zelaieta, 1 de fevereiro de 2021

18Todos os anos, desde o fim do regime de Franco e o estabelecimento da monarquia, de 1980 até o presente, com exceção da legislatura de 2009-2012 em que o PSE-EE (PSOE) governou.

19lindano ou lindano, hexaclorociclohexano usado como inseticida pelo qual também foi proibido em 1991 por ser prejudicial à saúde e ao meio ambiente, por ser persistente e carcinogênico por conter o isômero ɤ-hexaclorociclohexano.

21Entrevista realizada em 2 de fevereiro

23 Entrevista realizada em 31 de janeiro

24Conversa realizada em 30 de janeiro

25Videoconferência realizada em 31 de janeiro: https://archive.org/details/vid-20210129-wa-0008

Blog de WordPress.com.

Subir ↑

A %d blogueros les gusta esto: